CFTC e SEC propõe alteração para ativos cripto no Formulário PF

By Guilherme de Faria Martins da Silva
Published Setembro 3, 2022 Updated Setembro 3, 2022

CFTC e SEC propõe alteração para ativos cripto no Formulário PF

By Guilherme de Faria Martins da Silva
Published Setembro 3, 2022 Updated Setembro 3, 2022

A Commodity Futures Trading Commission (CFTC) e a Securities and Exchange Commission (SEC) estão propondo alterações no Formulário PF. A emenda propõe que as categorias de “equivalentes de caixa e dinheiro” e “ativos digitais” sejam distintas para garantir relatórios precisos. Isso sugere que, se a alteração for aprovada, a PF conterá uma nova classe de subativos para ativos digitais.

 

De acordo com as informações disponíveis no site da Caixa Federal é proposta uma alteração no termo “caixa e equivalentes em dinheiro” para que ele direcione os conselheiros a isentar ativos digitais ao mesmo tempo em que reporte caixa e equivalentes em dinheiro.

 

A PF é o formulário de relatório clandestino para assessores de investimento específicos para fundos privados que estão registrados na SEC e na CFTC.

 

Por que há necessidade de uma categoria de ativo digital separada?

 

As comissões (coletivamente) afirmaram que nos últimos anos os ativos digitais também chamados de “criptoativos” têm experimentado crescimento e volatilidade. No cenário atual, vários fundos de hedge foram criados para investir em ativos digitais. Ao mesmo tempo, muitos outros fundos de hedge existentes também são vistos alocando uma parte de suas carteiras para esses ativos. Assim, para ter clareza sobre as exposições globais do mercado de fundos de hedge, é vital coletar informações sobre sua exposição a ativos digitais.

 

Como os ativos digitais são definidos na emenda proposta?

 

A proposta define um “ativo digital” como qualquer ativo que seja emitido e/ou transferido através de ledger distribuído ou tecnologia blockchain. Isso inclui, mas não se restringe a chamadas “moedas virtuais”, “moedas” e “tokens”.

 

De acordo com a comissão, as alterações visam melhorar sua capacidade de examinar a magnitude da concentração da carteira de fundos de hedge e identificar a exposição direcional. Acrescentou que a alta concentração de carteira envolve o risco de perdas amplificadas que podem acontecer quando o investimento de um fundo representa uma grande parte de um determinado investimento, classe de ativos ou segmento de mercado. Carteiras alavancadas ampliam ainda mais esse risco. As alterações propostas são projetadas para identificar o risco de concentração de um fundo (onde a exposição bruta a um ativo de referência é maior do que a NAV do fundo).

CoinGape Twitter

Isenção de responsabilidade
O conteúdo apresentado pode incluir a opinião pessoal do autor e está sujeito às condições de mercado. Faça sua pesquisa de mercado antes de investir em criptomoedas. O autor ou a publicação não tem qualquer responsabilidade por sua perda financeira pessoal.
sobre o autor
Guilherme de Faria Martins da Silva
2606 artigos
Escritor de conteúdo experiente em investimento e domínio de blockchain. Recentemente, obteve a certificação de Agente Autônomo de Investimento. Prospecto e planilhas de fundos de investimento, informações técnicas e comerciais relacionadas a produtos de investimento, white papers, white papers técnicos, sites e postagens em mídias sociais.

Loading Next Story