JPMorgan Desafia o Conselho de “Evite o Bitcoin” de Charlie Munger, Sugere Exposição de 1% do Portfólio Ao BTC

Por Guilherme de Faria Martins da Silva
Publicados Fevereiro 26, 2021 Atualizado Fevereiro 26, 2021
By Guilherme de Faria Martins da Silva
Published Fevereiro 26, 2021 Updated Fevereiro 26, 2021

A JPMorgan recentemente desafiou o lendário investidor Charlie Munger em seu conselho de “evitar o Bitcoin”. A gigante bancária de Wall Street afirmou recentemente que os investidores devem ter 1% de sua exposição no portfólio ao Bitcoin (BTC). Os comentários da gigante bancária sobre não seguir a sugestão sobre a diversificação de portfólio.

Por muito tempo, estrategistas têm visto o Bitcoin como um possível hedge contra fatores econômicos globais como inflação, flutuações de ações, commodities e títulos. Mas ao invés de ir com tudo no BTC, a gigante bancária sugere aos investidores limitarem seus riscos colocando somente 1% para que mesmo que as coisas caiam muito, eles não perderão muito de seu suado dinheiro. Observe que a maioria dos players institucionais que se juntaram ao mercado de Bitcoin também anunciaram sua exposição entre 1 a 5%.

Em uma nota aos investidores na quarta-feira, acessada pela Bloomberg, estrategistas incluindo Joyce Chang e Amy Ho escreveram:

“Em um portfólio com diversos ativos, os investidores podem acrescentar até 1% de suas alocações em criptomoedas para conseguir qualquer ganho por eficiência nos retornos ajustados por risco no geral do portfólio”.
Os estrategistas ainda acrescentaram: “As criptomoedas são veículos de investimento e não moedas de financiamento. Então ao buscar fazer hedge de um evento macro com uma moeda, recomendamos um hedge com moedas de financiamento como o yen ou o dólar dos EUA ao invés disso.”

Charlie Munger Aconselha Usuários a Não Comprar Bitcoin Nem Ouro

Na quarta-feira, durante a reunião anual de acionistas do Daily Journal Corporation em Los Angeles, o lendário investidor Charlie Munger e o vice diretor da Berkshier Hathway aconselharam os investidores a não comprar nem Bitcoin nem Ouro.

Munger acha que a criptomoeda é um ativo muito volátil e não serve como meio de troca. Munger acrescentou:

“Eu não acho que o bitcoin acabará como o meio de troca mundial. Ele é muito volátil para servir bem como um meio de troca. O Bitcoin lembra o que Oscar Wilde disse sobre a caça à raposa. Ele disse que é o indizível em busca do incomível.
É realmente um tipo de substituto artificial do ouro, eu nunca compro bitcoin e eu recomendo que outras pessoas sigam minha prática, acrescentou ele.”

No entanto, os grandes players do mercado já entraram no Bitcoin e instituições financeiras começaram a mostrar “vontade insaciável por BTC. Falando à Bloomberg, Annabelle Huang, sócia do Amber Group disse “Através da pressão compradora de emissores de fundos negociados em exchanges, fundos de investimento fechados e grandes corporações de capital aberto acrescentando Bitcoin às suas posições, a demanda está superando de longe a oferta”.

Escritor de conteúdo experiente em investimento e domínio de blockchain. Recentemente, obteve a certificação de Agente Autônomo de Investimento. Prospecto e planilhas de fundos de investimento, informações técnicas e comerciais relacionadas a produtos de investimento, white papers, white papers técnicos, sites e postagens em mídias sociais.
O conteúdo apresentado pode incluir a opinião pessoal do autor e está sujeito às condições de mercado. Faça sua pesquisa de mercado antes de investir em criptomoedas. O autor ou a publicação não tem qualquer responsabilidade por sua perda financeira pessoal.
Guilherme de Faria Martins da Silva
3261 artigos
Escritor de conteúdo experiente em investimento e domínio de blockchain. Recentemente, obteve a certificação de Agente Autônomo de Investimento. Prospecto e planilhas de fundos de investimento, informações técnicas e comerciais relacionadas a produtos de investimento, white papers, white papers técnicos, sites e postagens em mídias sociais.

Loading Next Story