Mineração em Nuvem do Ethereum – Como orientar e superar fornecedores de serviços/websites

By Guilherme de Faria Martins da Silva
Published Julho 24, 2021 Updated Julho 24, 2021

Mineração em Nuvem do Ethereum – Como orientar e superar fornecedores de serviços/websites

By Guilherme de Faria Martins da Silva
Published Julho 24, 2021 Updated Julho 24, 2021

Não foi há muito tempo desde quando o mundo da blockchain era dominado pelo Bitcoin. Mas à medida que cada vez mais pessoas começaram a se associar à blockchain, as limitações do Bitcoin começaram a emergir.

Isto deu origem ao Ethereum. O Ethereum foi descoberto e desenvolvido Vitalik Buterin para não apenas corresponder à proeza do Bitcoin, mas para melhorá-la expandindo suas capacidades. A blockchain do Ethereum também deu ao mundo o conceito de “contratos inteligentes”, uma vez que suportava scripts e a criação de aplicações descentralizadas através da sua Máquina Virtual Ethereum ou vulgarmente conhecida por EVM. A alegação do Ethereum de ser melhor do que o bitcoin e características adicionais fez muitos acreditarem que o Ethereum era a moeda do futuro.

Minerando o Ethereum

Com a crença de que o Ethereum tinha o charme para mudar o mundo, muitos mineradores mudaram seu foco de Bitcoin para Ethereum. A mineração do Ethereum (prova de trabalho) não foi muito diferente da do Bitcoin. Qualquer minerador que queria entrar para obter Ethereum, tinha que usar computadores com chips gráficos superiores para fornecer soluções para enigmas matemáticos difíceis até que o bloco fosse confirmado e o minerador pudesse receber sua recompensa em Ethereum.

Um minerador de Ethereum leva quase 12-15 segundos para minerar um bloco e obter suas recompensas. Se a taxa de mineração cair e o minerador demorar mais ou menos tempo para resolver, o algoritmo ajusta automaticamente seus níveis de dificuldade para que os mineradores possam retornar ao tempo de solução de 12-15 segundos.

Enquanto as coisas parecem fáceis e a mineração do Ethereum um passeio, é preciso lembrar que o Ethereum pode não precisar de serviços de mineração para sempre. O Ethereum está lentamente se movendo para a Prova de Stake, dispensando o algoritmo de prova de trabalho para determinar a validade das transações. Isto significaria que a rede seria então assegurada por proprietários de tokens e não pelos mineiros. Portanto, a compra do ASIC ou de computadores de ponta pode não ser uma opção muito inteligente.

Tipos de Protocolo Descentralizados de Mineração de Ethereum

Enquanto os mineradores podem comprar seus equipamentos e executá-los por conta própria, a mineração de cripto ainda é um procedimento muito difícil e complexo.

Para além do equipamento de ponta, existem muitos fatores que precisam ser considerados e cuidados para tornar a mineração rentável. Há muito tempo muitos dos mineradores aderem aos protocolos descentralizados que podem maximizar suas lucratividades. De acordo com esses protocolos e com base nas posições de hardware e hospedagem, a mineração de Ethereum poderia ser classificada em duas categorias –Mineração Hospedada e a Mineração em Nuvem.

Mineração hospedada

Na mineração hospedada, o provedor constrói e então aluga ou vende o equipamento de mineração ou hardware diretamente ao cliente. Esse arranjo pode ser modelado de várias maneiras, mas geralmente, é o cliente que adquire o equipamento de um serviço hospedado ou envia-o diretamente para um data center hospedado ou para a exploração de mineração. O cliente tem agora de pagar o custo de energia e o custo de armazenamento, permitindo que alguém minere blocos com hardware adquirido ou alugado. Ao utilizar serviços hospedados, o minerador não tem problemas e não tem de lidar com as preocupações de manutenção, eletricidade ou armazenamento que poderá ter de encontrar enquanto executa o hardware por conta própria.

Há certas vantagens que a mineração hospedada traz ao minerador, o que inclui mais controle, pois eles têm acesso a qualquer momento e em qualquer lugar às especificações exatas relacionadas a seus equipamentos de mineração e podem verificar o mesmo por ter acesso remoto a seu hardware de mineração. A outra vantagem acrescenta até a parte de segurança dela, uma vez que o cliente/minerador é o proprietário do dispositivo de mineração e o provedor de serviços de hospedagem não toca nas moedas em nenhum estágio. A única desvantagem aqui é o custo adiantado que o minerador incorre para comprar ou alugar o equipamento e os reparos se algum precisar ser suportado também pelo minerador.

Mineração em Nuvem

Ao contrário da mineração hospedada, a mineração em nuvem reúne os clientes e seus poderes de processamento em um pool onde eles juntam o Ethereum em massa e a uma taxa mais barata. Sem nenhum custo inicial a ser suportado pelo minerador para comprar ou alugar o equipamento, a mineração em nuvem acabar por ser relativamente mais barata. O custo aqui associado é o da eletricidade e das taxas com relação à mineração, juntamente com uma porcentagem da recompensa ganha por meio de blocos de mineração para os serviços de mineração em nuvem.

Como precauções, o minerador tem que manter uma verificação nos serviços que estão dando a eles uma garantia da taxa de hash e de outras capacidades de mineração. Eles também precisam associar-se com nomes conhecidos para que suas recompensas de bloco sejam seguras e sejam distribuídas oportunamente pelo provedor de serviços.

Por isso, apenas para introduzir uma clara diferenciação entre os dois:
Serviços hospedados                                                                                                 Mineração na nuvem
O custo adiantado de comprar ou de alugar o equipamento         Sem custos iniciais envolvidos. Pode haver uma pequena taxa de embarque (se houver)
Mais controle, uma vez que o minerador pode realmente verificar o desempenho do seu equipamento Menos controle, uma vez que o minerador não consegue distinguir o seu desempenho bifurcado
Mais seguro, uma vez que o fornecedor de serviços de hospedagem não toca nas recompensas de bloco Menos seguro, pois o minerador tem de controlar as recompensas de bloco e tem de confiar no prestador de serviços por ser justo na distribuição de recompensas

Mineração em Nuvem do Ethereum

Com o tipo de desafios que um minerador do Ethereum está enfrentando em termos de preço e mudança antecipada para o algoritmo de prova de stake, investir em equipamento de mineração de Ethereum e mesmo ir para serviços hospedados não está se tornando tão rentável para mineradores. Portanto, muitos deles estão mudando para as opções de mineração em nuvem, pois é relativamente mais barato sem compromissos iniciais.

Existem agora várias explorações remasterizadas que começaram a fornecer serviços de mineração em nuvem do Ethereum. Esses diferentes provedores de serviços cobram taxas variáveis com base na capacidade e no poder de hash que está sendo utilizado. Os serviços de mineração em nuvem também fazem com que seja livre de problemas para os mineradores, já que eles não precisam cuidar do hardware que é mantido por profissionais altamente qualificados que são responsáveis pelas operações dessas plantas. Além disso, o custo da eletricidade é muito menor para esses provedores de serviços de mineração na nuvem, já que eles geralmente estão situados em locais distantes. O custo de eletricidade equivalente para um minerador que executa o dispositivo fora de sua casa pode ser significativamente maior e cheio de aborrecimentos.

Razões para os Mineradores Preferirem a Mineração em Nuvem do Ethereum

Embora a maioria das razões se sobrepõe à vantagem da mineração na nuvem, os mineradores de Ethereum consideram interessante a mineração em nuvem, porque –

  • Fornece uma fonte de lucro passivo durante o dia.
  • Os dados do usuário e as recompensas de token são preservados na nuvem e há poucas chances de perdê-los devido a problemas de hardware.
  • Aumento da lucratividade devido aos programas de parceiros.
  • A taxa de hash de agrupamento ajuda a aumentar a rentabilidade, bem como todos juntos conseguem mais.
  • Sem problemas de gestão e manutenção de hardware.
  • Fácil acesso à mineração a partir de qualquer parte do mundo.

Fornecedores de Mineração em Nuvem do Ethereum

Com a popularidade aumentando para a mineração em Nuvem do Ethereum, há muitas empresas que começaram a fornecer esses serviços. Abaixo está a lista dos provedores de serviços de mineração em nuvem do Ethereum mais populares

Nome do Fornecedor de Serviços Características
Hashflare  Hashrate mínimo: 100 KH/s.
Hardware: Plataformas GPU
Pagamento automático em ETH
Taxa de manutenção: Nenhuma
contrato de 1 ano
Mineração Genesis Vários planos com base nos requisitos do usuário
Hashrate mínimo: 25 MH/s a 350 MH/s com base em planos
Taxas de manutenção de US$0,004 por MH/s por dia.
2 anos de Contrato de mineração de Ethereum
HashGains Vários planos com base nos requisitos do usuário
Hashrate mínimo: 25 MH/s a 100 MH/s com base em planos
Taxas de manutenção por GH/s/dia US$3,2435
2 anos de Contrato de mineração de Ethereum
HashShiny Hashrate mínimo: 100 KH/s.
Taxa de manutenção: US$0,0004/100 KH/s/dia
Hardware: Plataformas GPU
Pagamento automático em ETH
2 anos de Contrato de mineração de Ethereum
Mineração IQ Vários planos com base nos requisitos do usuário
Hashrate mínimo: 2 MH/s a 300 MH/s com base em planos
Taxas de manutenção: Zero
2 e 5 anos e também Contrato de Mineração Vitalícia de Ethereum
Pagamento diário
Mineração CCG Vários planos com base nos requisitos do usuário
Hashrate mínimo: 1 MH/s a 100 MH/s com base em planos
Taxas de manutenção: Zero
Contrato de Mineração de Ethereum de 1 ano

Conclusão

As mudanças que o Ethereum está passando em termos de seu algoritmo e do preço em que ele está pairando, a mineração em nuvem é vista como a melhor opção.

Para os mineradores, não há nenhum custo adiantado a ser incorrido para se juntar às taxas de hash. Mas sim escolher o jogador certo e o contrato certo é a chave, pois tem um impacto direto na rentabilidade. Por conseguinte, é necessário um pouco de investigação.

CoinGape Twitter

Isenção de responsabilidade
O conteúdo apresentado pode incluir a opinião pessoal do autor e está sujeito às condições de mercado. Faça sua pesquisa de mercado antes de investir em criptomoedas. O autor ou a publicação não tem qualquer responsabilidade por sua perda financeira pessoal.
sobre o autor
Guilherme de Faria Martins da Silva
1795 artigos
Escritor de conteúdo experiente em investimento e domínio de blockchain. Recentemente, obteve a certificação de Agente Autônomo de Investimento. Prospecto e planilhas de fundos de investimento, informações técnicas e comerciais relacionadas a produtos de investimento, white papers, white papers técnicos, sites e postagens em mídias sociais.

Loading Next Story