Analista Aponta que Fantom (FTM) pode Subir 758% e Atingir US$ 3,52 no Mercado


Analista Aponta que Fantom (FTM) pode Subir 758% e Atingir US$ 3,52 no Mercado

  • Criptomoeda Fantom pode valer US$ 3,52 pela primeira vez no mercado
  • Análise de especialistas e indicadores apontam grande valorização da altcoin
  • FTM pode subir 758% se acompanhar previsão nos próximos cinco anos

Em breve a Fantom (FTM) pode atingir US$ 3,52 pela primeira vez no mercado, depois de acumular uma importante valorização de preço. Segundo uma previsão otimista para a criptomoeda em longo prazo, um aumento de 758% pode marcar a trajetória da FTM nos próximos anos.

Antes disso, especialistas e indicadores apresentam previsões sobre a criptomoeda ainda no final de 2021, onde cada unidade da Fantom pode atingir até US$ 1,50 no mercado, através do par FTM/USD.

O que é a Fantom?

Existem mais de sete mil criptomoedas e a Fantom Network representa uma renovação tecnológica que busca apresentar um equilíbrio entre os maiores dilemas desse mercado: a escalabilidade, a descentralização e a segurança.

A rede Fantom é considerada uma plataforma que opera no mercado de criptomoedas através da emissão de contratos inteligentes, e atualmente representa uma verdadeira evolução de ecossistemas financeiros criados a partir da tecnologia blockchain.

Utilizando um mecanismo de consenso único chamado Lachesis, a Fantom Network foi baseada no conceito de Tolerância a Falhas Bizantinas (BFT em sua sigla em inglês), e funciona por intermédio de um algoritmo conhecido como Proof of Stake (Prova de Participação).

Preparada para apresentar uma ponte entre aplicativos descentralizados (D’Apps) e as criptomoedas, a rede Fantom possui uma Exchange Descentralizada (DEX), uma stablecoin e pool de mineração com um sistema de staking com recompensas para detentores do token Fantom (FTM).

Rede Fantom representa um ecossistema de D’Apps (Reprodução/Youtube)

Previsão de preço para a altcoin em 2021

De acordo com dados do Coingecko, a capitalização de mercado da Fantom (FTM) está se aproximando de US$ 1 bilhão novamente com a criptomoeda sendo cotada em US$ 0,410782.

Somente nos últimos doze meses, por exemplo, a FTM acumulou uma valorização de 1.369,4% no mercado e pode valer até US$ 3,52, segundo a previsão de indicadores e analistas sobre a criptomoeda.

Depois de se aproximar de US$ 1 pela primeira vez no mercado em maio de 2021, o preço da FTM pode voltar a ser cotado em valores próximos a US$ 1 até o final do ano.

Segundo uma análise publicada no Twitter baseada na sequência de Fibonacci, a previsão do especialista ant47762300 aponta que a Fantom pode ultrapassar esse nível e atingir até U$ 1,50, através do par FTM/USD.

Enquanto isso, o Coin Skid sugeriu uma previsão de US$ 1,23 para a Fantom até o final de 2021.

Por outro lado, o indicador Wallet Investor diz que uma previsão menos otimista para a altcoin, ao mensurar que nos próximos doze meses a cotação da FTM deve alcançar até US$ 0,732.

Já a previsão do Trading Beasts apresenta o valor de US$ 0,65 como sendo a cotação final da criptomoeda neste ano, enquanto que a Digital Coin Price acredita em uma cotação de US$ 0,76.

Preço da FTM em 2021 (Reprodução/TradingView)

Cotação da FTM em 2025

Além de previsões sobre o desempenho da Fantom ainda em 2021, existem alguns estudos que apostam em uma grande valorização da criptomoeda em longo prazo no mercado.

Enquanto o Wallet Investor sugere que FTM pode alcançar US$ 0,732 nos próximos quatro meses, o mesmo indicador apresenta uma previsão para 2025 com o valor de US$ 2,157.

O indicador do Coin Skid também traz uma previsão para a Fantom daqui a quatro anos, e indica o valor de US$ 3,52 para a criptomoeda, o que representaria uma valorização de 758%. Outro indicador que apresenta uma previsão para a altcoin em longo prazo é o Digital Coin, que aposta na FM valendo US$ 1,69 no final de 2025.

Previsão para a criptomoeda nos próximos anos (Reprodução/WalletInvestor)

Como funciona a rede blockchain da Fantom

A rede Fantom foi desenvolvida para ser considerada a solução para problemas de escalabilidade apresentados em outras redes, como a Ethereum, por exemplo, que até o início de 2021 utilizava majoritariamente o mecanismo de Prova de Trabalho (PoW) para a confirmação de transações.

Ao contrário da rede Ethereum, a estrutura da plataforma Fantom foi criada a partir de um algoritmo de Prova de Participação (Pos) sem liderança chamado Lachesis, onde os contratos inteligentes são executados através de um mecanismo de consenso conhecido como Tolerância a Falhas Bizantinas (BFT).

Na prática, é como se a rede Fantom tivesse uma dupla camada de blocos de dados, onde cada nó opera um mecanismo de consenso independente, que mais tarde será incorporado aos blocos finalizados da rede.

Staking, stablecoin, DApps e DeFi

Conhecida como uma rede de desenvolvimento de aplicativos descentralizados, a Fandom possui uma plataforma de código aberto que hospeda praticamente qualquer tipo de D’Apps.

Além disso, a interoperabilidade da plataforma Opera permite uma conexão com projetos desenvolvidos na rede Ethereum, através da Máquina Virtual Ethereum (EVM em sua sigla em inglês).

Por utilizar um mecanismo de Prova de Participação para validar as transações, a rede Fantom possui um pool de liquidez que sustenta um programa de staking de FTM para os usuários. Através desse programa também é possível emprestar e contrair empréstimos descentralizados em criptomoedas.

Além de D’Apps, a rede Fantom possui uma exchange descentralizada que funciona exatamente como a Uniswap. Nessa plataforma é possível negociar criptomoedas sem intermediários.

A criptomoeda Fantom (FTM) é o principal ativo digital da rede Fantom e pode ser emitida através de outros ecossistemas, como um token ERC-20 através da rede Ethereum, por exemplo, ou na rede da Binance, atuando como um token BEP-2.

Além da FTM, a Fantom Network possui sua própria stablecoin com preço atrelado ao dólar estadunidense, a fUSD e uma carteira digital para armazenar criptomoedas, a Pwa Wallet.

Onde comprar a FTM no Brasil?

Embora seja considerada uma das cem maiores criptomoedas do mercado por capitalização, até então a Fantom (FTM) não possui nenhum par de negociação envolvendo o real brasileiro.

Dessa forma, os investidores do Brasil podem encontrar uma alternativa ao negociar a FTM através da Binance, uma exchange que possui cinco pares de negociação com a Fantom atualmente.

De acordo com a plataforma, é preciso ter Bitcoin (BTC), Binance Coin (BNB), Binance USD (BUSD) ou Tether (USDT) para negociar através dos pares FTM/BTC, FTM/BNB, FTM/BUSD ou FTM/USDT . Ou seja, antes de comprar FTM, os usuários devem ter saldo em alguma das criptomoedas mencionadas acima.

Outra alternativa pode ser a negociação direta com vendedores de criptomoedas, conhecidos como vendedores P2P (peer-to-peer). Segundo o Catálogo Bitcoin, existem alguns P2Ps no Brasil que negociam com a Fantom.

CoinGape Twitter

Assine nossa newsletter gratuitamente

Disclaimer A Coingape está comprometida em seguir os mais altos padrões de jornalismo e, portanto, segue uma política editorial rigorosa. Dessa forma, a CoinGape toma todas as medidas para garantir que os fatos apresentados em seus artigos sejam precisos.
Isenção de responsabilidade: As opiniões, previsões, posições ou estratégias expressadas pelos autores e pelos que fornecem comentários são apenas suas e não refletem necessariamente as opiniões, previsões, posições ou estratégias da CoinGape. Faça sua pesquisa de mercado antes de investir em criptomoedas. O autor ou publicação não se responsabiliza por sua perda financeira pessoal.
Author: Paulo José
Jornalista apaixonado pelo universo das criptomoedas e seu enorme impacto na sociedade. Ele conheceu o Bitcoin em 2013 sem saber que a criptomoeda tomaria conta de sua vida anos depois. Ele trabalhou em outros portais de notícias sobre criptomoedas e atualmente é um dos contribuidores do CoinGape.
Publique seu comentário...
Paulo José 206 artigos
Jornalista apaixonado pelo universo das criptomoedas e seu enorme impacto na sociedade. Ele conheceu o Bitcoin em 2013 sem saber que a criptomoeda tomaria conta de sua vida anos depois. Ele trabalhou em outros portais de notícias sobre criptomoedas e atualmente é um dos contribuidores do CoinGape.
Follow Paulo @