Chiliz chega aos EUA e Binance movimenta R$ 2,3 bilhões em fan tokens

By Paulo José
Published Fevereiro 3, 2022 Updated Fevereiro 3, 2022

Chiliz chega aos EUA e Binance movimenta R$ 2,3 bilhões em fan tokens

By Paulo José
Published Fevereiro 3, 2022 Updated Fevereiro 3, 2022

Cada vez mais o mundo do futebol está integrado ao mercado cripto, com o crescimento de novos projetos como os fan tokens. De olho na expansão deste setor, a Chiliz anunciou que está de olho nos Estados Unidos.

Com forte atuação na Europa e na América Latina, sobretudo no Brasil, a Chiliz planeja lançar fan tokens de times esportivos norte-americanos. De acordo com o projeto de expansão da empresa, um novo escritório será aberto em Nova York, nos Estados Unidos.

Assim, com sede em Malta, na Europa, a Chiliz pretende expandir seu negócio para os Estados Unidos através de um novo escritório. Avaliado em US$ 50 milhões, a plataforma pode desenvolver tokens para várias categorias de esporte no país.

No entanto, a consolidação dos fan tokens no mercado cripto também pode ser resumida pela atuação da Binance no setor. Embora a exchange tenha lançado somente três projetos em 2021, a plataforma negociou mais de R$ 2,3 bilhões em criptoativos ligados a times de futebol.

Um desses fan tokens é o do Santos, que foi lançado pela Binance no final de 2021. Além dele, o time do Lazio e o FC Porto foram outras equipes que escolheram a exchange para lançar seus projetos.

Por outro lado, a Binance também lançou tokens não fungíveis (NFTs) em 2021 e caixas misteriosas com fan tokens e NFTs. Sendo que a NFT mais cara da história da exchange foi vendida por US$ 2.799,16 recentemente.

CoinGape Twitter

Isenção de responsabilidade
O conteúdo apresentado pode incluir a opinião pessoal do autor e está sujeito às condições de mercado. Faça sua pesquisa de mercado antes de investir em criptomoedas. O autor ou a publicação não tem qualquer responsabilidade por sua perda financeira pessoal.
sobre o autor
Paulo José
456 artigos
Jornalista apaixonado pelo universo das criptomoedas e seu enorme impacto na sociedade. Ele conheceu o Bitcoin em 2013 sem saber que a criptomoeda tomaria conta de sua vida anos depois. Ele trabalhou em outros portais de notícias sobre criptomoedas e atualmente é um dos contribuidores do CoinGape.

Loading Next Story