O que é uma Blockchain Verde?

Por Guilherme de Faria Martins da Silva
Publicados Fevereiro 24, 2023 Atualizado Fevereiro 24, 2023
By Guilherme de Faria Martins da Silva
Published Fevereiro 24, 2023 Updated Fevereiro 24, 2023

A mineração de criptomoedas consome tanta energia quanto um pequeno país em um ano. Para reduzir o carbono, as redes de footrpints estão mudando para a blockchain verde.

A Casa Branca dos EUA publicou um relatório no ano passado destacando o impacto da mineração de criptomoedas no clima. O consumo de energia tem sido um tópico de debate entre reguladores e cínicos cripto por um longo tempo. Alguns descartaram completamente as criptomoedas, chamando-as de uma ameaça ao meio ambiente. Mas nem tudo está perdido, existe uma blockchain verde.

De acordo com o comunicado da Casa Branca dos EUA, o uso total de eletricidade global para criptoativos está entre 120 e 240 bilhões de quilowatts-hora por ano. Isso equivale a 0,4% a 0,9% do uso anual global de eletricidade. A mineração de criptomoedas consome energia tanto quanto a Austrália ou a Argentina consomem em um ano.

O consumo de energia por criptomoedas permaneceu uma preocupação para a indústria, apesar da maior parte da mineração acontecer em locais remotos do mundo com energia renovável. A mineração de cripto é um processo necessário para verificar transações e adicionar novos blocos. O mecanismo de consenso mais intensivo em energia é a Prova de Trabalho, que é usada pela principal criptomoeda Bitcoin.

A indústria está correndo para encontrar uma maneira melhor e mais limpa de minerar criptomoedas e reduzir as pegadas de carbono. Mais novos projetos estão se esforçando para alcançar 100% de blockchains verdes para reduzir o impacto ambiental.

O que realmente é uma Blockchain Verde?

Uma blockchain cujo mecanismo de consenso não contribui significativamente para a mudança climática através de emissões de efeito estufa é chamada de Blockchain Verde. Blockchains que dependem de prova de participação, que é um mecanismo de consumo de menos energia para validar transações do que prova de trabalho, são mais ecológicos.

O consumo de energia pela mineração de criptomoedas ainda é um enorme problema que persiste diante dos reguladores. A questão de saber se as criptomoedas se tornarão mainstream no futuro depende se a indústria pode reduzir sua pegada de carbono.

Como você torna a blockchain verde?

Muitas das principais criptomoedas do mercado utilizam a prova de trabalho (PoW) para validar transações. Com o mecanismo PoW, computadores poderosos precisam resolver quebra-cabeças complexos para completar verificações, e validadores competem para resolver os mesmos quebra-cabeças.

Por outro lado, a Prova de Participação oferece tokens como recompensas, mas os validadores são escolhidos aleatoriamente. Em vez de resolver quebra-cabeças complexos com máquinas pesadas, os validadores precisam colocar uma pequena quantidade de sua criptomoeda como garantia para uma chance de serem selecionados para validar transações.

Qual é a pegada de carbono para Blockchain?

Reduzir a quantidade de energia necessária é a maneira mais viável de tornar uma blockchain verde, especialmente considerando que ela é fixado no nível do protocolo. Isso significa que as partes interessadas não têm a responsabilidade no nível individual de gerenciar a pegada de carbono. O principal desafio para esta opção é que alguns aspectos de segurança inerentes devem ser renunciados.

Por outro lado, limitar o uso de energia para a rede a apenas o que vem de fontes específicas pode ser um desafio. No entanto, não é uma medida que possa ser incluída no protocolo.

De acordo com um relatório da Forexsuggest.com, toda a rede Bitcoin emitiu cerca de 86,3 milhões de toneladas de emissões de CO2 em 2022. Para remover as emissões anuais do Bitcoin da atmosfera, seriam necessárias cerca de 431,6 milhões de árvores.

Qual é o Blockchain Verde mais famoso?

Existem muitas redes blockchain que são ecologicamente corretas e não deixam uma enorme pegada de carbono. O blockchain de prova de participação Algorand é construído com foco ambiental e fez grandes progressos para alcançar uma pegada de carbono negativa.

A Algorand também fez uma parceria com a ClimateTrad, permitindo que eles rastreassem suas emissões em busca de amplas metas de sustentabilidade. O Climate Trade usa a tecnologia blockchain para ajudar as empresas a compensar sua pegada de carbono. Muitas plataformas blockchain compram compensações de carbono para compensar sua emissão. No entanto, ainda é discutível se essa técnica tem impacto ou não.

Uma compensação de carbono é uma redução ou remoção de emissões de dióxido de carbono ou outros gases de efeito estufa feitas para compensar as emissões feitas em outros lugares. No entanto, os ambientalistas não defendem a ideia de comprar compensações de carbono como forma de reduzir as emissões de carbono. A maioria das corporações usa compensações de carbono como um escudo para continuar se engajando em seu comportamento insustentável.

Compensar sua emissão de carbono significa plantar árvores e estabelecer fontes de energia renováveis para comunidades pobres. Embora sejam coisas importantes e produzam um impacto positivo, isso não anula completamente as emissões de carbono de outras atividades. Então, se você está vendo um projeto se gabando de ser ecologicamente correto comprando compensações de carbono, entenda que é apenas uma campanha de relações públicas.

Blockchains estão em transição para mecanismos ecologicamente corretos

No ano passado, uma das maiores redes blockchain, a Ethereum passou do mecanismo de prova de trabalho para a prova de participação para reduzir sua emissão de carbono em 99%. Embora o bitcoin continue a ser uma rede de prova de trabalho. Solana, Tron, Cardano estão entre as principais redes que utilizam mecanismos de prova de participação para manter seu processo de mineração neutro em carbono. Polkadot e Avalanche também são redes blockchain ambientalmente amigáveis.

É certo que o futuro pertence a redes blockchain ambientalmente amigáveis. O Ethereum já deu um exemplo de como é importante reduzir as pegadas de carbono da mineração de criptomoedas.

Escritor de conteúdo experiente em investimento e domínio de blockchain. Recentemente, obteve a certificação de Agente Autônomo de Investimento. Prospecto e planilhas de fundos de investimento, informações técnicas e comerciais relacionadas a produtos de investimento, white papers, white papers técnicos, sites e postagens em mídias sociais.
O conteúdo apresentado pode incluir a opinião pessoal do autor e está sujeito às condições de mercado. Faça sua pesquisa de mercado antes de investir em criptomoedas. O autor ou a publicação não tem qualquer responsabilidade por sua perda financeira pessoal.
Guilherme de Faria Martins da Silva
3306 artigos
Escritor de conteúdo experiente em investimento e domínio de blockchain. Recentemente, obteve a certificação de Agente Autônomo de Investimento. Prospecto e planilhas de fundos de investimento, informações técnicas e comerciais relacionadas a produtos de investimento, white papers, white papers técnicos, sites e postagens em mídias sociais.

Loading Next Story